sexta-feira, 30 de março de 2012

Acessibilidade para todos



Já é conhecido o esforço que as escolas e outras entidades estão a fazer para se tornarem mais acessíveis a todos, mas o caminho para isso acontecer ainda é longo.
Um bom site onde podemos conhecer os diversos materiais de apoio que tornam tudo mais fácil é http://www.megaserafim.pt/tachyon/.
Não nos podemos assustar com preços, pois há aparelhos mesmo muito caros, dada a sua complexidade.
Mesmo assim, vale a pena passear por estas imagens e sua descrição, para perceber que afinal até pode ser simples e não muito doloroso para os meninos ditos normais.
Por exemplo, materiais manipuláveis desenhados e pensados para dificuldades multisensoriais, são excelentes para as necessidadees especiais mas também muito bons e apelativos para todas as crianças.
Aqui fica a proposta de visita a este e muitos sites do género, pois, como alguém diria "vale a pena pensar nisto" e se tivermos oportunidade e contexto, adquirir alguns e colocar à disposição de quem precisa para melhorar o seu dsenvolvimento. Assim até pode ser que os preços baixem :)

quinta-feira, 22 de março de 2012

Menir

Estou grato por existir.
Vejo-me e desejo-me!
Sem ser narcisista,
Construo passo a passo o meu menir.

- Mas como explicar tal afirmação?
Ver-se e desejar-se é mesmo a correcta percepção,
Chegar lá é que não se perfila fácil,
Necessitas de uma global visão.

- Necessitas observar o teu ser,
Todas as suas interjeições,
Intercepções,
Correlações e demais cruzamentos,

Também coincidências repetidas e preconceitos?

Não!
Necessitas apenas de uma singela coisa...
Viver!
Não te feches em ti!
Vive contigo para os outros...

E aprende o seguinte saber:

Somos únicos, mas os outros também o são.
Temos fraquezas e poderes, os outros também os têm.
Somos sãos ou doentes, os outros também.

Temos amor e ódio, nos outros também bate
Esse coração.

Mais um poema que podemos ler no livro Devaneios da Razão de Carlos Monteiro, da HMEditora.

Gosto deste em especial pois foca aspectos que deviam estar no rol de aprendizagens que conseguimos adquirir da vivência com os outros, com os mais velhos.

Boas leituras!

terça-feira, 20 de março de 2012

Dia dos namorados




O tempo passa a correr, não é?
Mas não resisto em partilhar mais uma actividade que realizei nas aulinhas de AEC, apesar de já ter passado mais de um mês.
A lagarta do amor chegou à sala e apresentou-se, propondo aos alunos que criassem a sua própria lagarta do amor para dar à namorada ou namorado, ou a outra pessoa de que gostassem muito, para poder dizer "I love you" acompanhado de uma pequena prenda que pode servir de marcador de livro, por exemplo.
A primeira foi feita por mim, do mais simples possível para deixar espaço para a sua própria imaginação.
A segunda foi um dos alunos que decidiu mudar a monotonia dos corações e acrescentar flores ao corpo da lagarta, tudo para dar à mãe.
A terceira lagarta foi feita com grande esforço de um aluno que raramente consegue fazer actividades que requerem manuseamento de material de corte e colagem. No final ofereceu-me, como se se tratasse da peça mais valiosa. :)
E assim se passou mais uma época com uma temática diferente!

sexta-feira, 16 de março de 2012

Se os adultos são assim...

video

O que podemos esperar das crianças, que têm a imaginação a desenvolver ao máximo?

quarta-feira, 14 de março de 2012

Ser professor de nativos digitais


É um filme um pouco assustador, pela atuação do menino, pela sua forma de falar, não fosse ele uma produção americana...
Mas se olharmos para além da sensação inicial, percebemos que a mensagem é de assimilar conceitos como adaptação, flexibilidade, open mind e afins.
Por experiência própria, as crianças continuam a gostar dos livros em papel, principalmente aqueles que podem folhear e escrever livremente.
A educação deve ser como a alimentação, equilibrada e adequada às necessidades específicas de cada um!
Boas receitas!

terça-feira, 13 de março de 2012

Providing Education


KONY 2012 from INVISIBLE CHILDREN on Vimeo.

Redes Sociais: Participação e Cidadania

Ser jovem hoje é ter todas as portas e janelas abertas e ter a grande responsabilidade de escolher em qual delas entrar para construir o seu próprio caminho.

Apesar da suposta época de crise financeira e, há quem diga, de valores, há espaços onde todos podemos dar a nossa palavra.

O Parlamento dos Jovens é um desses espaços e entrou agora na fase das iniciativas distritais, mais perto de todos, e ainda via online.

Aproveitem bem e façamos ouvir a nossa voz.

Para saber mais basta ir ao link http://juventude.gov.pt/Eventos/ConcursosPassatempos/Paginas/Parlamento-dos-Jovens-sessoes-distritais-e-ConcursoEuroscola-2012.aspx

sábado, 10 de março de 2012

Traffic signs











Vendo que o corte de letras para construção de palavras no 1º ano correu muito bem, decidi repetir a atividade, mas desta vez mais elaborado.
O cartaz com o desenho de uma estrada e os pequenos cartões com pessoas, bombas de gasolina e carros fazem parte de um jogo muito antigo que conheço desde que nasci, estando sempre guardado em casa dos meus pais e agora na minha.
Como são peças únicas, propus aos alunos recriar o mesmo cenário e peças para trabalharmos o tema "traffic signs" com associação das cores.
Embora tenha ficado um produto final pouco estético, os objetivos da atividade foram atingidos :).
Reutilizar coisas e coisinhas há muito esquecidas pode ser uma forma de quebrar a monotonia das novas tecnologias, livros, brinquedos e materiais manipuláveis coloridos que estão ao seu alcance todos os dias.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Escolaridade obrigatória, que mudanças?

A escolaridade obrigatória e o desempenho escolar sempre foram temas de debate que continuam a deixar alguma polémica e discórdia.
Apesar disso, continuam os esforços para melhorar.
Com esses esforços chegou a decisão de aumentar a escolaridade obrigatória para os 12 anos.
Para saber mais sobre isto, podemos lêr vários artigos, dos quais destaco um:
http://www.portoeditora.pt/espacoprofessor/me10-escolaridade-obrigatoria-a-12-anos

Boas leituras!

quarta-feira, 7 de março de 2012

Toys - Inventar para aprender

Ao planificar as aulas, costumo pensar no que vou fazer, como e com que materiais.
Esta parte dos materiais é a mais trabalhosa, pois se não queremos gastar mais do que devemos, temos que inventar um pouco e colocar a nossa criatividade ao dispôr das actividades a propôr.
Foi aí que me lembrei de uma resma de folhas com letras que me acompanham desde há muitos anos, desde que a minha irmã decidiu que elas seriam úteis para mim, na perspectiva de irmã mais velha preocupada com a caçúla.
E não é que são mesmo úteis?
Certo que passaram muitos anos com as folhas sempre atrás de mim... Mas ao levá-las para a sala de aula, com alunos do 1º ano que ainda têm grande dificuldade em escrever, fizeram muito sucesso.



Os alunos só tinham que escolher as letras iguais às que estavam escritas no quadro, identificando-as bem como ao boneco que era esperado que desenhassem.



Depois de desenharem brinquedos à sua escolha, da lista dos que estavam escritos no quadro, muito procuraram e cortaram letras, mesmo com erros que foram posteriormente corrigidos.


Este foi o produto final, onde trabalhámos a contagem dos brinquedos em inglês, a leitura dos nomes dos brinquedos em inglês e assim ficaram a conhecer alguns TOYS, apenas aqueles a que o programa obriga.
Às vezes, ao planificar inglês para o 1º ano, questiono se estamos no bom caminho, pois eles aprendem a ler inglês ao mesmo tempo que o fazem em português. Se calhar sim... se calhar não...

terça-feira, 6 de março de 2012

Testemunho sobre voluntariado


Quem não conhece alguma organização ou instituição que se dedica quase exclusivamente ao voluntariado?
Hoje destaco a organização Saúde em Português, que publicou a sua 5ª newsletter para a qual contribui com um pequeno artigo.
O link é http://www.saudeportugues.org/viewNews.php?artid=64 e para ler basta clicar em cima da imagem da newsletter e aumentar.
Escrevi sobre a mais recente experiência de voluntariado, com a turma da 2ª classe em Lichinga, que se pode conhecer na fotografia do artigo.
Boas leituras!